Substituto de Fernando Bezerra no governo estadual é o candidato do PSB no Recife

Geraldo ocupou mesma pasta que Fernando

O  governador Eduardo Campos bateu o martelo e lançou Geraldo Júlio, o substituto de  Fernando Bezerra na secretária de Desenvolvimento Econômico,  para prefeito do Recife pelo PSB.

O governador foi quem  escolheu o nome de Geraldo. A justificativa de Campos para abandonar o PT tem a ver com o  conflito interno do partido de Lula para consolidar  um candidato no Recife, hoje o senador Humberto Costa. A decisão de Eduardo  racha a Frente Popular e deixa o PT fragilizado. PTB e PCdoB podem caminhar  juntos com o candidato do governador.

A decisão do PSB de ter um nome na majoritária em Recife reforça um comentário feito pelo pré-candidato a prefeito em Petrolina pelo partido da estrela, o deputado estadual Odacy Amorim. Logo após a entrevista coletiva que concedeu no início da semana, Odacy disse ao Blog que estaria acontecendo uma cruzada contra o PT no Estado.

Além de enfraquecer a candidatura  petista na capital pernambuca, há 12 anos sob gerencia do Partido dos Trabalhadores,  articulações do grupo de Eduardo Campos  enfraquecem  a candidatura do PT em Petrolina. A última investida se deu com a tomada do PP, até então na coligação de Odacy.

A decisão de ter um nome próprio para disputar a prefeitura do Recife pode relevar, também,  os interesses do PSB em  2014,  quando o ministro Fernando Bezerra deverá se lançar como candidato a governador. Tendo a capital nas mãos, a legenda pode agregar as forças da região metropolitana com a do interior, sobretudo a do sertão.

Se o dito candidato do governador, Fernando Filho, não sair vitorioso na eleição  de Petrolina, os planos de Eduardo e companhia podem estar livres de grandes riscos.  Matéria publicada pelo Jornal do Commércio de ontem aponta uma aproximação entre  Campos e o ex-governador Jarbas Vasconcelos, grande cacique estadual do PMDB, sigla do Dr Julio Lossio, que pretende governar a cidade mais importante do sertão sanfranciscano por mais quatro anos.

Deixe seu comentário