Prefeito de Petrolina participa da 71ª Missa do Vaqueiro e homenageia o radialista Carlos Augusto

https://mail-attachment.googleusercontent.com/attachment/?ui=2&ik=403b48d72e&view=att&th=13847d3d8095b7be&attid=0.7&disp=inline&realattid=f_h45kgg9c6&safe=1&zw&saduie=AG9B_P_5J6lnByqFyIMXW21Rmc5e&sadet=1341260997368&sads=TkG8Utz5JkNyw60Y2sQpzgnalhcResistindo ao tempo e cada vez mais valorizado pelas raízes do povo sertanejo, na manhã de ontem (01) milhares de pessoas estiveram na 71ª Missa do Vaqueiro em Petrolina. A cerimônia que encerra os festejos de São João no município é marcada pela valorização da cultura que encontra na cidade terreno fértil para sua disseminação de geração a geração.

 Além dos homenageados, os vaqueiros da região, este ano, a solenidade contou com uma homenagem a um dos incentivadores da cultura local que milita há anos pelas causas dos sertanejos, como forma de dar visibilidade e, principalmente, valorização. O radialista Carlos Augusto, criador e organizador da Jecana, festa que abre oficialmente os festejos juninos e este ano cumpriu sua 41ª edição, recebeu a premiação do Troféu Asa Branca criado pelo centenário do rei do baião, Luiz Gonzaga, em maio deste ano através da Lei 2.470 de 04 de maio de 2012. A honraria é concedida a pessoas físicas ou jurídicas que alcançam destaque em suas funções dentro da sociedade e em benefício dela.

 “A Missa do Vaqueiro em Petrolina está consolidada pela força do sertanejo e pela valorização dada a essa cultura que é destaque nas mais diversas partes. Este ano estamos homenageando por unanimidade o radialista Carlos Augusto que vem há muitos anos desenvolvendo um brilhante trabalho de valorização à cultura e, por isso, merece nossos parabéns pela dedicação, pois ele representa a voz do povo da caatinga”, afirmou o prefeito Julio Lossio.

 Surpreso com a homenagem e, ao mesmo tempo honrado, como ele mesmo afirmou, Carlos Augusto agradeceu a premiação dedicando aos familiares e a Luiz Gonzaga. “Me sinto surpreso ao receber essa homenagem, mas muito agradecido pela premiação que vem dignificar minha vida. Ofereço o troféu Asa Branca à minha família, aos vaqueiros, ao povo e, principalmente, à memória de Luiz Gonzaga, fonte originária dessa premiação”, destacou.

 A Missa do Vaqueiro, celebrada pela primeira vez no ano de 1941 pelo Padre Américo Soares, cumpriu o objetivo de um encontro religioso para curar um vaqueiro ferido durante o trabalho. Hoje, a tradição perpetua-se como símbolo de proteção a um dos ícones do sertão, o vaqueiro, através do momento de oferenda das vestes características produzidas a partir do couro para a proteção no seu trabalho.

Deixe seu comentário