Lula: nós vamos dizer “vem cá, companheiro” a quem bateu panela

A chegada da caravana Lula pelo Rio de Janeiro à cidade de Maricá foi celebrada com uma noite de muita emoção. Lula chegou na Praça da Matriz acompanhado da presidenta eleita Dilma Rousseff, que se juntou à caravana nesta quarta-feira (6). Ao lado de Dilma, ele elencou as conquistas dos governos petistas perante uma multidão aglomerada no centro da cidade.

O ex-presidente pregou a conciliação do Brasi. “Aqueles que foram bater panela, aqueles que foram para as ruas apoiar o golpe, não têm mais panela para bater. Estão batendo a cabeça na parede de arrependimento. Não vamos tratá-los com indiferença. Vamos estender a mão e dizer ‘vem para cá, companheiro'”, afirmou Lula, acrescentando que “é sempre tempo para a gente aprender”.

Durante o discurso, Lula ressaltou a importância de se recuperar o otimismo do povo brasileiro e afirmou que, caso seja confirmado candidato às eleições de 2018, deseja “voltar para provar que o Brasil pode voltar a ser feliz”.

“Meu diploma é a minha relação com o povo brasileiro. Eu sei o que é acordar com fome, com a casa cheia d’água, com rato tentando subir na cama, com merda boiando no quarto. Eles não sabem e é por isso que eles não cuidam do povo. Eles não conhecem vocês”, afirmou Lula.

O ex-presidente voltou a criticar o mercado e a imprensa por promover “terrorismo” sobre sua eventual candidatura. “Mesmo se eu marcar um gol de bicicleta a imprensa não vai dar, preferem transmitir o gol de canela do adversário”, brincou. Sobre sua relação com o mercado, Lula foi enfático. “Eu não preciso do mercado, eles que vão precisar do meu governo”.

A presidenta eleita Dilma Rousseff ressaltou que a perseguição a Lula faz parte da continuação do processo do golpe. “Estão querendo tirar o Lula do processo eleitoral porque eles não têm ninguém para concorrer contra ele. Para mim, inventaram as pedaladas; para ele, um processo sem crime”, relatou. (247)

Deixe seu comentário