‘Estudetes’ fazem paródia de novela para retratar greve no ensino da Bahia

'Estudetes' fazem paródia de novela para retratar greve no ensino da Bahia (Foto: Felipe Britto/ Arquivo Pessoal)Fãs das “empreguetes” da novela Cheias de Charme, da TV Globo, três estudantes recriaram o hit e o clipe das domésticas para criticar a greve no ensino estadual da Bahia, que já dura mais de 60 dias.

vídeo completo traz cenas dos erros de gravação e um manifesto cobrando do governo uma solução para acabar com a greve dos professores (confira a íntegra do manifesto no fim do texto). Postado no Youtube há cinco dias, o vídeo tem mais de 105 mil visualizações.

Procurada pelo G1, a Secretaria da Educação do Estado da Bahia diz, em nota, que avalia o vídeo das estudantes como uma “paródia do momento”, que é a ausência de aulas na rede estadual. O governo do Estado afirma que “vem fazendo um esforço para assegurar a normalidade das aulas”.

Desde a postagem do vídeo, as garotas contam que são reconhecidas nas ruas de Itaparica, cidade situada na costa esquerda da Baía de Todos os Santos, onde moram, e têm se acostumado a dar entrevistas à imprensa local. “A sensação é muito boa, tomara que não acabe”, diz Isabele Alcântara, de 20 anos, que representa a personagem Maria da Penha (Thaís Araújo) em “Vida de Estudetes”, título da versão baiana.


Além de Isabele, a paródia da letra e a coreografia foram compostas pelas primas Bruna e Jamile Moreira, de 18 anos. Todas estão matriculadas no 3° ano do Colégio Estadual Democrático Jutahy Magalhães e pretendem cursar direito. O vídeo é resultado de um trabalho escolar proposto pela professora Maísa Paulo, única que dá aula na unidade de ensino durante o movimento grevista.

“A professora passou o trabalho para toda a classe. Cada grupo ficou com um tema, que podia ser o aquecimento global, a seca. Nós pensamos sobre a greve. Não foi para se mostrar, foi um trabalho, demos o nosso melhor, porque valia dois pontos. Quando estourou na internet, a gente ficou doida, doida, doida”, descreve Isabele.

Reunidas na casa de Bruna Moreira em uma noite de quarta-feira, a música do clipe foi construída em duas horas. “Todo dia acordo cedo, me bato com o porteiro, me dizendo meia volta, que não vai rolar…” é o começo. “Curtimos muito a novela, ensaiamos pouquíssimo, a coreografia nós criamos na hora. Pensamos o que falar sobre a greve, queríamos transmitir uma mensagem, porém sem ofender a ninguém”, explica Bruna, que, na novela, prefere Maria do Rosário (Leandra Leal).

Trabalho de escola
A professora Maísa Paulo pediu aos seus alunos do 3° ano que retratassem em um vídeo problemas políticos e sociais. Segundo conta, ela optou por não aderir ao movimento para continuar recebendo o salário e poder comprar os remédios que toma mensalmente. Com a escola fechada, os estudantes têm aulas no pátio.

Em média, são 100 alunos por série, da 1ª à 3ª. “Ligo a caixa de som para usar o microfone. Já cheguei a dar aula na rua, porque um dia [os professores grevistas] fizeram um piquete e me proibiram de entrar. Peguei todos os alunos, levei para a rua e dei uma aula sobre a história da Ilha de Itaparica”, conta.

G1

Deixe seu comentário