Após 5 horas, Demóstenes nega ter usado mandato em favor de bicheiro

O senador Demóstenes Torres durante depoimento do Conselho de Ética (Foto: Wilson Dias / Agência Brasil)Em depoimento de cinco horas no Conselho de Ética do Senado, o senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) negou nesta terça-feira (29) que tenha usado seu mandato para favorecer o bicheiro Carlinhos Cachoeira, preso em fevereiro sob a acusação de comandar uma quadrilha de jogo ilegal.

Em discurso e após ser interrogado por parlamentares, ele voltou a afirmar que é amigo de Cachoeira, admitiu que o contraventor pagava sua conta de celular, mas negou que tivesse conhecimento de irregularidades cometidas pelo bicheiro. Demóstenes disse que vive o “pior momento” de sua vida e que se sente traído por Cachoeira.

O senador goiano responde a processo disciplinar no conselho por suspeita de quebra de decoro parlamentar, sob acusação de ter utilizado o mandato para auxiliar os negócios de Cachoeira. O depoimento começou por volta das 10h20, e a sessão foi encerrada por volta de 15h20.

No depoimento ele afirmou ser inocente das acusações de envolvimento com a quadrilha que explorava jogos ilegais. “Nunca sofri tanto na minha vida. Eu sou um homem que tem vergonha na cara. […] Eu sou um carola”, disse Demóstenes aos demais parlamentares.

Celular pago por Cachoeira

Ao responder um questionamento do senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), Demóstenes admitiu que o bicheiro deu a ele um aparelho nextel habilitado nos Estados Unidos e que Cachoeira pagava a conta do telefone. Segundo a Polícia Federal, o telefone era habilitado nos Estados Unidos para que as conversas não fossem interceptadas.

O senador disse que não via quebra de decoro em usar telefone pago por Cachoeira, segundo ele cerca de R$ 50 por mês. Randolfe contrapôs e diz que há irregularidade no fato de um servidor público receber qualquer quantia ou benefício de um ente privado. Demóstenes afirmou, então, que não teria aceitado se soubesse antes o que sabe agora sobre Cachoeira.

O senador Pedro Taques (PDT-MT) perguntou ainda a Demóstenes qual é a razoabilidade de um senador usar um telefone habilitado nos EUA, e Demóstenes respondeu que é por “questão prática” porque o telefone poderia ser usado para falar no Brasil e também nos Estados Unidos.

De acordo com Demóstenes, o aparelho não era usado somente para falar com o bicheiro. “Não tinha lanterna na popa e não tinha como adivinhar que o rádio era utilizado para outras atividades”, disse. Demóstenes afirmou que usou o rádio “por comodidade”, porque poderia se comunicar com facilidade.

“Hoje é fácil de dizer que foi um erro, Eu não sabia a dimensão que isto tinha, nem que era utilizado para outras atividades”, disse.

Fonte: G1.com

Blog do Banana

Deixe seu comentário